Palestras para preparar a festa de Santo Agostinho

Iniciou em 20.08.2018, o III Ciclo de Palestras da Semana Agostiniana, na Paróquia de São José de Queluz (Belém-Pará), com o tema “O Laicato em Santo Agostinho”, ministrada pelo Frei Luís Carlos de Melo e Silva Albim, OAR, Formador do Seminário Santo Tomás de Vila Nova (Belém-PA). Houve a participação de paroquianos, estudantes universitários, membros da Fraternidade Secular Agostiniana Recoleta (FSAR-Belém), da Juventude Agostiniana Recoleta (JAR-Belém), religiosos e consagrados. Este ano, o evento contou com a parceria da CRB – Conferência dos Religiosos do Brasil – Regional Belém. O Frei Josimar Aguiar Lameira, OAR, fez a abertura do III Ciclo de Palestras. Em sua exímia exposição, Frei Luís Carlos Albim discorreu sobre a importância do papel do leigo desde o início do cristianismo até a época de Santo Agostinho, especialmente em sua obra “De catechizandis rudibus”, que trata da pedagogia catequética, bem como destacou que os fiéis leigos precisam avançar em seu protagonismo na Igreja nos dias atuais.

Em continuidade, no dia 21.08.2018, aconteceu a palestra com o tema “O Sacerdócio em Santo Agostinho”, ministrada pelo Padre André Luiz Maia Teles, Mestre em Ciências Patrísticas pelo Instituto “Augustinianum” (Pontifícia Universidade Lateranense, Roma), que expôs sobre os contextos da vida de Santo Agostinho, que possibilitaram melhor compreensão da experiência do sacerdócio na vida do Santo. Frisou que Agostinho, embora tenha recebido princípios cristãos em sua infância, aos poucos afastou-se da fé cristã, trilhando outros caminhos. Mas, após escutar as pregações de Santo Ambrósio (Bispo de Milão), que o esclareciam acerca das Sagradas Escrituras, cresceu nele a confiança na Palavra de Deus e no ensinamento da Igreja, e passou a percebeu que poderia conciliar perfeitamente a fé e a razão. Isso o ajudou profundamente a viver o seu sacerdócio, que, embora não fosse por ele almejado, aceitou o ministério como desígnio de Deus para sua vida. Assim, buscou sempre mais o estudo das Sagradas Escrituras, aprofundou na credibilidade da doutrina católica e na leitura de autores cristãos de seu tempo, fazendo do estudo uma espiritualidade. De outro lado, foi zeloso pastor no cuidado pastoral do povo de Hipona, ao qual se dedicava incansavelmente.

O Ciclo de Palestras foi concluindo com brilhantismo pelo Frei Danilo Janegitz, OAR, Promotor Vocacional, Mestre em Teologia com Especialização em Teologia da Vida Consagrada (Universidade Pontifícia de Salamanca, Espanha), que versou sobre o tema “A Vida Consagrada em Santo Agostinho”. Com grande sabedoria, criatividade e humor, Frei Danilo brindou a todos os participantes com detalhes da vida de Santo Agostinho que ajudaram a melhor compreender a concepção que o Santo desenvolveu sobre a vida consagrada. Em sua exposição, Frei Danilo buscou apresentar a vida consagrada em Santo Agostinho, a partir de sete imagens bastante expressivas: 1) o orvalho do Hermon (Sl 132); 2) os três jovens na fornalha ardente (Dn 3); 3) Daniel na cova dos leões; 4) a imagem do oleiro; 5) os pássaros do céu; 6) o jumentinho de Deus; e 7) a comunidade de Jerusalém. Com a abordagem de riquíssimos temas sob o olhar de Santo Agostinho, o Ciclo de Palestras foi encerrado deixando saudades e, ao mesmo tempo, gerando expectativas para que, em futuras oportunidades, estejamos novamente unidos em um só coração e uma só alma, nutrindo-nos do carisma agostiniano e da genialidade e santidade de nosso Pai Santo Agostinho.

De Bárbara Barbosa

Suscríbete a nuestra

Newsletter