Como se sente ao fazer a profissão solene como agostiniano recoleto?

No domingo, Freddy Daza fez a profissão solene de seus votos. Venezuelano, deu seu sim final a Cristo reafirmando seu desejo de segui-lo. “Eu acredito que Deus chama cada um em sua própria realidade”, diz

Em 10 de fevereiro de 2019 será sempre lembrado por Freddy H. Daza. Foi neste dia, no Convento Nossa Senhora do Bom Conselho, em Monachil (Granada), quando ele fez sua profissão solene dos votos como um agostiniana recoleta. Rodeado por outro, a formação dos jovens religiosos e leigos da Fraternidade Secular, Freddy -venezolano- disse sim a Cristo, reafirmando seu desejo de segui-lo.

Como de costume, ele se prostrou no chão com os braços cruzados na frente do altar antes de dizer a fórmula da profissão e assinar a ata. O que você sentiu naquele momento em frente ao altar? “Eu vivi esse dia com muita emoção”, diz ele. Celebração dominical tem sido, diz ele, “o fim de uma longa jornada em que, juntamente com os irmãos, tenho vindo a aprofundar o carisma agostiniana recoleta e deram hoje sim definitivo para me entregar a essa família e seu a Igreja”.

Freddy encontrou a Ordem dos Agostinianos Recoletos em uma reunião do ministério da juventude. “Eles me contaram sobre o carisma, sobre tudo o que é ser um agostiniano recoleto e isso me cativou”, lembra ele. Especificamente, havia algo do carisma que chamou sua atenção: “O fundamental é a vida em comunidade”. A partir desse momento decidiu entrar como agostiniano recoleto e iniciar o processo vocacional. “Todos os dias eu me fortalecia e me dava muito mais a esse carisma.”

Este jovem venezuelano entende que “ser agostiniano recoleto é mais que um carisma, uma vida”. Freddy resume a vocação agostiniano-recoleta como “render-se a uma comunidade de irmãos a serviço da comunidade e da Igreja”. É assim que um agostiniano recoleto “dá glória a Deus”. “Esse carisma não apenas o completa ou o enche com o apoio dos irmãos; com tudo isso, você constrói a Igreja e, juntos, o Reino de Deus é construído em conjunto”, responde ele.

A Venezuela estava presente na profissão solene. Antes de concluir, a Virgem de Coromoto foi rezada pela situação no país. O jovem agostiniano recoleto estava muito presente na celebração da família e de seu país. “Acredito que Deus chama cada um das pessoas do seu contexto, da sua própria realidade, que é onde, independentemente da sua raça, da sua cor, as suas perspectivas futuras fazem este milagre e vão, como Santo Agostinho diz, convertê-lo” .

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English

Suscríbete a nuestra

Newsletter