300 anos de freiras vestidas de roxo

As agostinianas recoletas nazarenas de Motril (Granada) celebraram seu 300º aniversário rodeadas de centenas de pessoas agradecidas por sua presença, seu trabalho contemplativo e pela preservação da devoção a Jesus de Nazaré.

Em 3 de fevereiro de 1699, Madre Sebastiana María de la Cruz Gómez fundou em Motril, sua terra natal, um Beaterio com licença do bispo de Granada. Foi o início do atual mosteiro da Visitação de Santa Maria, que em 2018 celebrou seu 300º aniversário. Desde então até hoje, as monjas agostinianas recoletas desenvolveram seu trabalho contemplativo com uma peculiaridade: sua especial devoção a Jesus de Nazaré, cuja imagem é venerada no mosteiro.

Por esta devoção, as monjas agostinianas recoletas vestiram desde o início o hábito púrpura, em vez do tradicional hábito negro das monjas. Por isso, as monjas deste convento, além de agostinianas recoletas, são nazarenas. Madre Sebastiana Maria obteve a bula nazarena do Papa Bento XIII em 1º de setembro de 1729 – apenas nove anos depois da ereção do convento em 1718. Além de seguir a Regra de Santo Agostinho e as Constituições da Ordem dos Agostinianos Recoletos, as monjas quiseram viver neste convento a Constituição Nazarena, no estilo dos Carmelitas Nazarenos de Lima (Peru).

Esta bula afirma que o nazareno é muito acidental porque são religiosos da Ordem dos Agostinianos Recoletos e só afeta o hábito, os crachás da Paixão e as penitências acrescentadas às já indicadas na Regra e Constituições Recoletas. Por isso, as agostinianas recoletas de Motril vestem um hábito roxo e cada uma usa um crucifixo, exceto quando deixam o mosteiro.

A Quaresma é vivida durante todo o ano neste convento. A comunidade de monjas agostinianas recoletas rezam diariamente a Via Sacra. Na Sexta-feira Santa este momento é mais intenso, já que todas as irmãs rezam a Via Sacra com uma coroa de espinhos, corda e cruz nos ombros. Além disso, o jejum e a abstinência são praticados todas as sextas-feiras do ano, ações que também são realizadas quinze dias antes da Sexta-feira Santa.

Devoção a Jesus de Nazaré no convento e em Motril

Ao longo dos séculos, a enorme devoção das monjas agostinianas recoletas à imagem de Jesus de Nazaré não só permaneceu no convento, como se espalhou pelo povoado de Motril. Muitas pessoas celebraram o seu 300º aniversário juntamente com as monjas; por este evento, a Câmara Municipal de Motril entregou a medalha de ouro à comunidade. Centenas de pessoas dedicam-se à imagem que se conserva na igreja monástica e que foi esculpida pelo fabricante de imagens Domingo Sánchez Mesa Granada no século XX para substituir o original que desapareceu durante a Guerra Civil Espanhola.

Desde o final da década de 1980, a devoção a Jesus de Nazaré tem sido canalizada em Motril através da Irmandade do Grande Poder. São os irmãos desta fraternidade que cuidam da devoção à imagem durante todo o ano e aqueles que procissão com o Senhor na noite da quarta-feira santa.

Foi justamente a Fraternidade da Grande Potência que reforçou a celebração dos 300 anos deste mosteiro de monjas agostinianas recoletas com a organização do Primeiro Congresso Nacional sobre a comunidade das Agostinianas Recoletas Nazarenas de Motril. O congresso estudou história, espiritualidade e características peculiares através de diferentes apresentações, dirigidas entre outras pelos historiadores agostinianos recoletos Ángel Martínez Cuesta e Pablo Panedas.

300 anos depois, para Motril, o mosteiro da Visitação de Santa Maria continua sendo o coração da devoção a Jesus de Nazaré, que bate ao ritmo das Agostinianas Recoletas de Nazaré que as acompanham para levar a cruz de Cristo cada dia com suas orações.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English

Suscríbete a nuestra

Newsletter