O próprio homem, que se admira, é uma maravilha.

Sermo 126, 4.