“Andar pelos caminhos da irmã Cleusa foi uma experiência emocionante”

O produtor católico Verbo Filmes registrou durante os últimos meses um documentário sobre a vida e assuntos atuais da Irmã Cleusa, Carolina Rhody Coelho, assassinada por defender os direitos dos indígenas da Amazônia. O diretor do relatório ficou impressionado com a validade de sua figura

O trabalho da missionária agostiniana recoleta Cleusa Carolina Rhody Coelho estava completo. Desde a sua chegada à floresta amazónica do Brasil, ele se comprometeu, com todas as suas consequências, a defender os povos indígenas da região. Essas atitudes estavam criando hostilidade em relação a ela, ao ponto de ela ter sido ameaçada de morte, primeiro de forma camuflada e patentes posteriores. Em 28 de abril de 1985, Cleusa foi assassinado.

O testemunho de uma vida dada aos outros e sua validade no momento são os dois pontos que o documentário que Verbo Filmes, o produtor católico, mostrou nos últimos meses com Signis – Uma Associação de Comunicação Católica – e a Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM).

O diretor do relatório é Cireneo Kuhn, brasileiro e missionário da Palavra Divina. Depois de passar várias semanas seguindo os passos da Irmã Cleusa, ela ficou particularmente emocionada com a validade de sua doutrina. “Ainda está vivo na alma dos ‘apurinãs’ – povos indígenas da Amazônia – no coração dos leprosos, no caminho diário das comunidades. Seu misticismo é comparável ao dos grandes santos “, diz ele.

“Andar pelos caminhos da irmã Cleusa para o documentário foi uma experiência emocionante”, confessa. Cireneo Kuhn teve a oportunidade de conversar e entrevistar pessoas próximas ao missionário agostiniano recoleto. “Os testemunhos daqueles que a conheceram”, diz ela, “me fizeram acreditar que eu estava enfrentando um trabalho que merecia dedicação especial da minha parte”.

A emoção esteve com ele em várias ocasiões para mergulhar na figura de Cleusa. “Durante a edição pelo menos duas vezes eu lembro que as lágrimas vieram para mim, que fiquei emocionado por ter o privilégio de fazer um trabalho como este”, diz ele. Cireneo Kuhn acrescenta: “Foi o meu desafio continuar a procurar pessoas como Cleusa, que são a inspiração para a minha vida e para todos aqueles que podem ver algum desses documentários um dia”.

Para a gravação do documentário, Kuhn viajou para Espiritu Santo, local de nascimento da Irmã Cleusa, e para Lábrea, onde morreu martirizado. Foi a última região amazônica que o impressionou mais. “Eu não conhecia Labrea. Os dias que eu estava lá, eu poderia sentir-me de perto nas condições precárias em que a população vive, principalmente no que diz respeito ao saneamento básico “, diz ele.

“Ainda estamos muito longe da sociedade soñada pela Irmã Cleusa, uma sociedade de inclusão dos pobres, na qual a justiça social é compartilhada e real”, diz o diretor da Verbo Filmes.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español

Suscríbete a nuestra

Newsletter