Lábrea não se esquece da Irmã Cleusa no 33º aniversário do seu martírio

O bispo agostiniano recoleto de Lábrea, Dom Santiago Sánchez, presidiu a marcha de oração da Catedral da Prelazia até a Igreja onde repousam os restos mortais da Irmã Cleusa. O povo de La Grande pede que a memória do missionário agostiniano recoleto seja mantida viva pelos indígenas, menores e idosos que continuam a ser tratados injustamente

Eles têm 33 anos a partir de 28 de Abril de 1984. No entanto passado, a memória descritiva e reivindicações da Irmã Cleusa Carolina Rody Coelho -misionera agostiniana recoleta- mais de três décadas após seu martírio permanecem intactos. A Prelazia de Lábrea celebrou no último sábado o aniversário de seu assassinato, insistindo em manter viva sua memória, porque as injustiças continuam acontecendo nesta área do Brasil. As diferentes celebrações que se seguiram destacaram seu generoso ser a Deus, suas virtudes de santidade e seu martírio. Este último está sendo investigado pela Congregação para a Causa dos Santos da Santa Sé.

O principal evento do 33º aniversário da morte do recoleta missionário agostiniano foi a oração caminhada que, como de costume, comemorou a Prelazia da Catedral para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, onde os restos de Cleusa irmã. Durante a marcha, dezenas de pessoas refletiram sobre o tema da oração: “felizes são os que promovem a paz” (Mt 5,9). Várias pessoas carregaram um barco nos ombros – onde ela foi morta – com uma imagem de Cleusa.

“Dados relevantes de violência no Brasil e fatos da vida Cleusa que ajudam a superar a violência com seu exemplo de pacificar as mulheres” foram destacados durante a reflexão, de acordo com a recolher a mídia oficial da Prelatura do Lábrea. Sr. Eremita Brites, agostiniana recoleta missionária, saudou todos os participantes na Catedral, pedindo celebrar “o martírio de Irmã Cleusa como uma forma de não silenciar a luta pela vida, justiça e paz”.

A caminhada terminou na frente de seu túmulo. O bispo agostiniano recoleto de Lábrea, Dom Santiago Sánchez, presidiu a Eucaristia, principal evento do dia da memória e celebração. Santiago Sánchez ressaltou que a Irmã Cleusa “nos ensinou a amar a todos como irmãos e a combater a injustiça e todas as formas de violência”.

Emotive foi o momento em que o prelado de Lábrea demitiu a missionária agostiniana recoleta Jacira Bering, que em breve deixará a missão. Bering expressou emocionalmente que Lábrea e, acima de tudo, o testemunho de fé da irmã Cleusa foram decisivos em sua vocação e na resposta que deu aos projetos de Deus.

Presidente do Missionário Comissão Parish (COMIPA) Lábrea, Marcelo Viana, disse que “muitas pessoas admiram Cleusa pelo seu testemunho de fé para dar a sua vida, o respeito como um ativista luta bandeira mulher para os pobres e marginalizados Eles a veneram como santa por seu testemunho e virtudes de santidade e pedem sua intercessão “. “Não podemos deixar que a sua memória vai atrás de seu sangue foi derramado, temos de continuar clamando por paz e justiça quando os índios sofrem a omissão das autoridades públicas, as crianças continuam a ser abusado e anciãos estão sendo abusadas.”

Nos dias anteriores, em todas as paróquias de Lábrea, o tríduo de preparação para a festa foi realizado com o objetivo de que o testemunho do mártir não fosse perdido. Além disso, nos programas de rádio foram emitidos temas de reflexão e relembrança da vida de Cleusa.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español

Suscríbete a nuestra

Newsletter