Monsenhor David Arias, um grande líder do povo hispânico

O bispo agostiniano recoleto David Arias morreu no dia 9 de maio, aos 89 anos, em Nova Jersey (Estados Unidos). Ele foi reconhecido por muitas pessoas como um bom bispo e um bom religioso, principalmente preocupado com a comunidade hispânica. Neste artigo lhe recorda o agostiniano recoleto Eliseo González

Biografía | Una vida al servicio de la Iglesia (ESP)

Conheci o Bispo David Arias em Novembro de 1997 no Mosteiro de Tagaste, Suffern, Nova Iorque. Eu era seminarista na altura. Veio comer com a comunidade agostiniano-recoleta para celebrar o Dia de Ação de Graças. Durante os próximos seis anos, o Arcebispo Arias não perderia essa festa em Tagaste.

Recordo também quando, junto com outros frades recoletos, estivemos presentes na bênção do Centro Guadalupe de Union City, Nova Jersey. Arias foi o grande responsável pela abertura deste centro de formação para a comunidade hispânica na diocese de Newark. Desde o seu tempo no Movimento dos Cursilhos em Nova Iorque, Arias sempre se preocupou com a boa formação dos leigos.

Em 31 de maio de 2003, tive a alegria de ser ordenado sacerdote pela imposição de suas mãos na Mary Star of the Sea Church, Oxnard, Califórnia. Ele também esteve presente no dia seguinte, 1º de junho, na minha primeira missa. Arias estava sempre pronto para as ordenações de diáconos e sacerdotes agostinianos recoletos.

Em 2009 fui destinado a West Orange, Nova Jersey, onde se situava a casa provincial da Província de Santo Agostinho, com a missão de trabalhar pela causa do venerável bispo Alfonso Gallegos. Arias algumas vezes por ano, sempre em encontros comunitários agostinianos recoletos.

Em março de 2010, enquanto eu estava em Nova Jersey, fui visitar o Bispo David para pedir-lhe um favor: ele precisava me emprestar uma mitra dele para vestir ao venerável Bispo Gallegos depois de sua exumação em 24 de março de 2010. Quando cheguei à residência de Dom Arias, fiquei impressionado com a simplicidade e a organização de tudo. Ele recebeu-me com grande afecto. Ele era muito atencioso. Ele mostrou-me a casa e a igreja. Parecia uma residência dentro de outra residência. Tinha sua própria capela, cozinha, sala de jantar e quarto, tudo com exceção da reitoria dos pais diocesanos. Ele me levou para o quarto dele e colocou três mitras na cama dele e disse: “Pegue o que quiser. Peguei na mais bela para a pôr no venerável Bispo Gallegos.

No verão de 2013 fui designado para Santa Ana, Califórnia, na Igreja de Nossa Senhora do Pilar. Durante esse tempo, Monsenhor Arias permaneceu nesta comunidade em duas ocasiões. A partir daí, Dom Arias aproveitou a oportunidade para visitar seu irmão, Pe. José Antonio Arias, e seus sobrinhos e sobrinhas em Los Angeles.

Em junho de 2016, ele ficou na Igreja Pilar para uma reunião de bispos dos EUA na área do sul da Califórnia, perto de Santa Ana. A propósito, da diocese de Orange fui convidado a confessar aos bispos. Fui confessar-me e lá vi o Bispo Arias, vivendo com os seus irmãos bispos, muito feliz. Aproximou-se de mim e cumprimentou-me com grande afecto.

A última vez que vi Dom David Arias foi em novembro de 2016, quando ele viajou para a Catedral de Sacramento, Califórnia, para participar da Missa de Ação de Graças de Dom Alfonso Gallegos por ocasião de sua proclamação como venerável.  A viagem foi feita de ônibus com um grupo de peregrinos da igreja de Pilar, Santa Ana, e durou sete horas. Naquela cerimônia, o bispo Arias teve que revelar a foto do bispo Gallegos que foi iluminada no coro da catedral. Depois perguntei aos paroquianos como tinha sido uma longa viagem para o bispo Arias. Disseram-me que ele era muito feliz, “calmo”, rezando e partilhando com os fiéis.

Nessas duas ocasiões, quando ele ficou em Santa Ana, na igreja de Pilar, falamos sozinhos sobre alguns temas: seu ministério, seu amor pela história e seus livros sobre a contribuição dos hispânicos para a sociedade americana, sua autobiografia que ele escrevia e por que pensava que São João Paulo II o elegeu bispo, o que foi uma grande surpresa para ele. A sua teoria era que no seu curriculum vitae parecia que nos seus estudos em Roma tinha feito a tese final sobre a espiritualidade de São João da Cruz. Sorrindo, ele me disse que era por isso que acreditava ter sido nomeado bispo por São João Paulo II, porque o Papa também tinha interesse em São João da Cruz.

Para mim, o Bispo David Arias era um homem simples, amoroso e atencioso. Ao tomar conhecimento da sua morte, ofereci a Sagrada Eucaristia para o seu descanso eterno e não pude deixar de sentir novamente o afecto e a união espiritual com ele, pois tinha-me ordenado sacerdote e novamente Jesus Cristo, o Sumo Sacerdote Eterno, uniu-nos.

O Cardeal Joseph W. Tobin, C.Ss.R., Arcebispo de Newark, depois de saber da morte do Bispo Arias, disse: “Hoje, esta Igreja local de Newark está de luto por um pastor notável e confiável que guiou os fiéis sabiamente, bem e com grande cuidado pastoral. David Arias, agostiniano recoleto, foi um grande líder que deixou uma marca profunda na igreja dos Estados Unidos, especialmente na pastoral da comunidade hispânica, que continua crescendo.

Eliseo González OAR

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English

Suscríbete a nuestra

Newsletter