Um ano de vida contemplativa agostiniano-recoleta na Colômbia

As agostinianas recoletas chegaram à Colômbia pela primeira vez no dia 12 de junho de 2018. Quase um ano de idade, eles estão felizes por estes primeiros meses em Bogotá.

No dia 12 de junho de 2018, sete monjas agostinianas recoletas – acompanhadas pelo presidente federal do México – partiram do mosteiro de Cuernavaca para a Colômbia. Foi a nova fundação das agostinianas recoletas contemplativas, a primeira na Colômbia. No país onde começou a Recoleção Agostiniana na América do Sul, as monjas de clausura chegaram pela primeira vez. Foram recebidos pelo prior provincial da província de Nossa Senhora da Candelária, Albeiro Arenas, junto com todo o carinho da família agostiniano-recoleta da Colômbia, que os acolheu de braços abertos.

Depois de onze meses e prestes a celebrar um ano no Convento de Nossa Senhora da Candelária, em Bogotá, as sete monjas estão felizes com seu novo ambiente. “Vir à Colômbia tem sido um apelo muito forte para mim”, diz a Irmã Ermila Sanchez. Na mesma linha, Irmã Heriberta Rosas Mena assegura que para ela esta fundação na Colômbia foi “uma nova vocação”.

A mudança de convento foi difícil para alguns religiosos. A irmã Eva Villa Martínez afirma que foi difícil para ela chegar à Colômbia porque significou um desapego, semelhante ao que ela fez quando decidiu dar sua vida a Deus como agostiniana recoleta. Ainda é difícil”, diz a irmã Blanca Lizette García, que reconhece que para ela a nova fundação foi “um desafio”.

Os seus rostos felizes mostram a sua alegria por terem realizado o trabalho contemplativo em Bogotá, onde foram acolhidos com afecto. Sobretudo pelos religiosos agostinianos recoletos, com os quais colaboram em algumas ações pastorais ou de solidariedade, como sua inclusão em ARCORES Colômbia.

E não estão apenas na Colômbia para rezar. As monjas agostinianas recoletas dedicam seus dias, entre outras coisas, à elaboração de biscoitos de nogueira ou laranja que oferecem nos colégios agostinianos recoletos ou à realização de hábitos para os frades ou para as monjas.

Depois de um ano, eles só têm uma palavra para mostrar seu estado na Colômbia: felicidade. “Foi algo forte, mas estamos felizes com esta nova missão”, conclui a Irmã Huaraní Esparza.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English

Suscríbete a nuestra

Newsletter