Jovens missionários que transmitem a alegria do Evangelho

Mais de cem jovens do JAR na Argentina estão realizando uma missão social e evangelizadora em Victoria (Entre Rios) com famílias, crianças, doentes, idosos e prisioneiros. “Trata-se de ser instrumentos de Deus e transmiti-lo”, dizem eles.

Eles batem de porta em porta com o melhor dos seus sorrisos, desejam ouvir e estão dispostos a dar a Palavra de Deus. Eles visitam as famílias, conversam, riem, bebem mate e fazem uma oração juntos. É nisto que consiste a simples missão das Juventudes Agostinianas Recoletas (JAR) da Argentina em Victoria (Entre Rios) durante esta semana. Todos eles dedicam sete dias de férias para apoiar o trabalho pastoral dos sacerdotes em um extenso território com muitas necessidades e poucos sacerdotes. Os jovens trazem a alegria do Evangelho a cada família que os recebe. São os “missionários corajosos” de quem o Papa Francisco fala em sua exortação apostólica Christus Vivit.

A missão deles é simples, mas “reconfortante”, como eles admitem. Pela manhã, eles vão a cada uma das casas dos bairros que lhes são confiados, a maioria deles famílias em situação de pobreza ou necessidade. Agustín Cardo, membro do ARY Santa Fe, explica seu trabalho: “Nos apresentamos, tentamos saber mais sobre eles e escutá-los, conversamos, bebemos mate e às vezes acabamos rezando”. Assim em cada casa, com cada família que lhes abre a porta. Muitos deles estão à espera da sua visita e até já prepararam um companheiro. “Eles recebem-nos com muito amor”, diz Agustín. “Trata-se de ser instrumentos de Deus e transmiti-lo”, diz ele. À tarde, eles brincam com as crianças, visitam os doentes no hospital, os idosos nos lares ou os prisioneiros nas cadeias.

Este é o segundo ano da missão ARY em Entre Rios. A sua primeira experiência foi “incrível” porque “uma pessoa acaba por se renovar”. Este é o quarto ano em que as Juventudes Agostinianas Recoletas realizam sua missão em Victoria. Em 2017, eles pediram para serem enviados para onde fossem necessários. Na diocese de Gualeguaychú o acolheram de braços abertos. No início eram 30 jovens, depois 50 e 80, até chegarem aos 100 este ano. Nesta ocasião, o lema da missão ARY é “Não procures o que dar, dá-te a ti mesmo”.

Três religiosos vieram com os jovens. O agostiniano recoleto Juan Pablo Magnanelli nos assegura que “somos nós (jovens e religiosos) que estamos sendo missionados”. “Eles pensam que vieram para dar algo, mas na realidade todos nós saímos fortalecidos na nossa fé”, disse ele.

Os cem jovens estão divididos em dois grupos de 40 e 60, estabelecidos em dois pontos diferentes da cidade. Em cada lugar dormem o melhor que podem, nos salões paroquiais e na sacristia. Não é inconveniente quando o que realmente os move é o amor por Deus e pelos outros.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English

Suscríbete a nuestra

Newsletter