A mesma Eucaristia, com medidas de prevenção da COVID-19

A Paróquia de Nossa Senhora da Paz, em Pamplona (Navarra), começou a voltar ao normal após as semanas mais difíceis do coronavírus em Espanha.

No domingo passado, 10 de Maio, cerca de 130 pessoas assistiram à Eucaristia na paróquia de Nossa Senhora da Paz, em Pamplona (Navarra). Este número está próximo da nova capacidade da igreja, que normalmente acolheria mais de 400 pessoas. As restrições começaram a ser levantadas após as semanas mais difíceis da pandemia em Espanha, embora as igrejas tenham implementado medidas de prevenção para evitar novas infecções. Os fiéis podem regressar à freguesia, embora devam fazê-lo usando uma máscara e mantendo uma distância de mais de um metro entre eles.

“A normalidade total voltou”, diz o pároco, o agostiniano recoleto José Luis Urriza. As eucaristias foram retomadas, embora durante o confinamento tenham continuado a ser celebradas com a autorização do arcebispado. A paróquia começou a recuperar parte da vida que tinha antes do surto do coronavírus, graças ao facto de Navarra ter sido uma das regiões que entraram nas primeiras fases do confinamento. No entanto, a nova vida é marcada por uma redução de 30% na capacidade da freguesia e por uma prudência constante.

Muitos paroquianos assistiram à primeira Eucaristia no domingo após a quarentena – os mais numerosos, 130, às 12 horas da manhã. Houve inclusive uma celebração do jubileu de ouro do sacerdote agostiniano recoleto, Jesus, o Liberal. “Eles estavam ansiosos pela Eucaristia”, diz Urriza. Esta é uma das razões: a necessidade espiritual do povo de se encontrar novamente com Jesus. Embora haja mais razões: “A nossa paróquia é grande e aqui podem estar seguras e calmas”.

A igreja dos Agostinianos Recoletos implementou o protocolo de prevenção contra a COVID-19, seguindo as diretrizes da Conferência Episcopal Espanhola. Após cada Eucaristia, os bancos são limpos com álcool. O gel higienizante para as mãos e o cesto de recolha podem ser encontrados à entrada. Não há coro na Eucaristia; apenas uma pessoa canta. Os fiéis têm de manter a distância e devem usar uma máscara; embora 90% dos fiéis usem uma máscara, aqueles que não a usam não estão proibidos de entrar, embora recomendem a sua utilização. Tal como na saída – que deve ser ordenada e mantida à distância – os religiosos pedem aos paroquianos a “responsabilidade”. “Vimos que o comportamento é normal, especialmente na saída”, diz o pároco.

Em breve todas as missas serão retomadas nos seus horários habituais e os funerais serão novamente realizados. Apesar disso, José Luis Urriza diz que a situação terá um impacto negativo na paróquia. Em primeiro lugar, haverá uma diminuição lógica do número de fiéis, devido às restrições de capacidade. Mas também irá afectar a economia, devido a todas estas semanas em que não houve recolha. No entanto, “vários paroquianos apoiaram financeiramente a paróquia com a sua contribuição através de transferência bancária”.

A comunidade religiosa tem mantido a sua vida normal em casa durante estas semanas, seguindo as ordens de permanecer em casa. A oração comunitária foi intensificada. Do mesmo modo, continuaram a acompanhar as pessoas que habitualmente vêm à paróquia: os que perderam um parente foram acompanhados no seu luto e a catequese continuou a ser enviada às crianças que se preparam para a sua primeira comunhão. Até Urriza enviou a homilia de domingo a quase 1.000 pessoas para o Whatsapp. Espera-se que este acompanhamento continue agora, quando a sociedade tiver superado o coronavírus.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English

Suscríbete a nuestra

Newsletter