“Todos nós temos a missão de ser solidários e espalhar a esperança”

Os Superiores Gerais da Família Agostiniana Recoleta advertem sobre o impacto que a COVID-19 terá na missão evangelizadora e chamam à “imaginação da caridade” para enfrentar as conseqüências.

Diante da emergência mundial provocada pelo coronavírus, os Superiores Gerais da Família Agostiniano-Recoleta enviaram uma mensagem conjunta na qual refletem sobre o impacto que a COVID-19 teve e terá nas comunidades agostiniano-recoletas e na obra de evangelização. Em seus escritos eles lembraram os religiosos e as pessoas que morreram devido à pandemia, e pediram esperança depois de uma situação difícil na qual surgiram iniciativas criativas para aproximar a fé de todos os cantos.

A carta foi assinada pelo Prior Geral da Ordem dos Agostinianos Recoletos; pelas mães federais das Agostinianas Recoletas da Espanha e México; pela mãe federal das Agostinianas Descalças; e pelas superiores gerais das Agostinianas Recoletas, Missionárias Agostinianas Recoletas, Agostinianas Recoletas do Coração de Jesus, Agostinianas Recoletas dos Enfermos e Comendadoras de Santiago. Todos começam sua escrita convidando a não ter medo e a pedir o dom do Espírito “para ouvir a voz de Cristo no grito daqueles que sofrem da pandemia, assim como em todos aqueles que são vítimas da injustiça humana ou de qualquer tipo de abuso”. Queremos ouvir”, dizem, “o grito da terra e o grito dos pobres”.

“Nós sofremos”

No momento em que a crise começa a diminuir, os superiores da família agostiniano-recoleta asseguram que “tem sido um tempo de sofrimento”. “Temos sofrido e sofremos com aqueles que sofrem em nossas comunidades religiosas, em nossas famílias, paróquias e centros educativos e no mundo inteiro”, indicam. Concretamente lembram-se dos “queridos irmãos” que morreram pela COVID-19, assim como daqueles que sofrem nos hospitais ou em suas comunidades.

A este respeito, recordam as palavras do Papa Francisco na extraordinária bênção Urbi et Orbi de 27 de março: “Em meio ao isolamento em que sofremos a falta de afeto e de encontro, experimentando a falta de tantas coisas, ouvimos mais uma vez o anúncio que nos salva: Jesus ressuscitou e vive ao nosso lado. Da sua cruz, o Senhor nos compromete a redescobrir a vida que nos espera, a olhar para aqueles que nos invocam, a fortalecer, a reconhecer e a encorajar a graça que habita em nós. Não extinguamos a chama trémula (cf. Is 42:3), que nunca adoece, e façamos a esperança voltar à vida”.

Entretanto, além das conseqüências negativas, os superiores reconhecem o trabalho evangelizador e educativo que tem sido feito por religiosos, leigos e jovens nesta situação. Elas valorizam especialmente a oração das irmãs contemplativas de seus mosteiros. Em geral notam que a “oração foi intensificada” de forma virtual e telemática em muitos lugares, modalidade que valorizam como “nova e especialmente preciosa”.

“A crise de saúde terá um impacto social”

Da mesma forma, o Prior Geral e os superiores das congregações femininas pedem unidade na situação gerada pela pandemia: “Todos nós temos a missão de ser solidários e de difundir a esperança”. Neste sentido, advertiram que “não podemos nos confinar e nos preocupar com o que é ‘meu’ e ‘nosso’ senão para o bem comum”.

Os religiosos alertaram que “a crise de saúde terá um impacto social, no trabalho, na economia, nas relações humanas e também em nossa missão evangelizadora”. Ainda que esta situação provoque “maior austeridade”, estes fenômenos são “um chamado à imaginação da caridade, a ser criativo para ser mais humano”, dizem eles.

Para isso, os superiores da família agostiniano-recoleta convidam a colaborar com ARCORES nas diferentes iniciativas que está realizando em diversos países para aliviar as conseqüências do coronavírus. A ajuda pode ser através de recursos econômicos, através do voluntariado ou da doação de meios materiais ou de espaço.

“Temos que nos preparar e estar prontos com oração, caridade e solidariedade para caminhar juntos em cada país”, dizem eles. Finalmente, pediram para estarem abertos ao Espírito, a fim de “ver o mundo à luz de Cristo, enquanto a esperança cresce no íntimo de nossos corações”.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English