‘Preso’ nos Estados Unidos pela COVID-19

La pandemia sorprendió a Raul Buhay en unas de las comunidades de Estados Unidos y ha tenido que extender su estancia sin posibilidad de regresar a Roma.

O Conselheiro Geral Raul Buhay [retratado aqui, primeiro da direita] está se adaptando à sua “nova vida” na comunidade da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, em Santa Ana, Califórnia. Trabalha como cozinheiro, oficializa em uma das missas diárias da paróquia e trabalha na tradução de documentos. “Eu estou vivendo o dia-a-dia”, diz ele. Ele deveria estar em sua comunidade em Roma, mas a COVID-19 tem perturbado seus planos e por enquanto o obriga a permanecer nos Estados Unidos. Ele não sabe o fim de uma viagem que deveria durar 14 dias e que já ultrapassou três meses.

No dia 9 de março, Buhay decolou do Aeroporto Roma-Fiumicino para a Califórnia. O Prior Geral lhe confiou a tarefa de revisar a tradução para o inglês das Constituições da Ordem. Como falante de inglês, ele ajudaria o Pe. Tom Devine neste trabalho. Era difícil para o padre agostiniano recoleto se mudar para Roma, então o mais oportuno era que o Conselheiro Geral viajasse até sua casa. Enquanto voava para os Estados Unidos, a Itália decretou o fechamento das fronteiras como uma medida extrema para combater o coronavírus. “Eu não pensei que eles fossem fechar as fronteiras naquele dia”, confessa ele.

Uma extensão inesperada da viagem

Quando chegamos aos Estados Unidos, tudo estava normal. A Paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe estava lotada de fiéis nas missas dominicais. Essa aparente normalidade foi transformada e a COVID-19 ganhou cada vez mais destaque. No dia 19 de março, apenas quatro dias antes de sua data inicial de retorno, Donald Trump anunciou o fechamento das fronteiras dos EUA.

Algumas semanas depois, a comunidade de religiosos decidiu que a mulher responsável pela cozinha deveria parar de vir para evitar o contágio. Então Buhay tomou conta da cozinha e ajudou a limpar a casa. Ele começou a levar uma vida ativa na comunidade, prevendo que a sua estadia seria prolongada. Ele começou a fazer compras e cozinhar para os religiosos. Em suas viagens ao supermercado para comprar alimentos ela percebeu a precariedade que o coronavírus tinha trazido consigo. Muitas pessoas ficaram sem praticamente nenhum recurso. Um dia ele teve que ajudar financeiramente uma senhora que não tinha dinheiro para comprar uma banana.

Raul Buhay é também um dos líderes da comunidade na distribuição de massas. Ele vem celebrando a Eucaristia online e agora começou a celebrar com o povo após a reabertura da paróquia no dia 13 de junho. “Apenas 100 pessoas vieram quando a paróquia estava normalmente cheia”, diz ele. Espera-se que as pessoas vão gradualmente superar seu medo. No estado da Califórnia, 133 mil pessoas foram infectadas com o coronavírus, das quais 5 mil morreram.

Não há tempo para o medo

Mas nem tudo é negativo. A inesperada duração de sua viagem lhe permitiu concluir com sucesso a tradução das Constituições e revisar o trabalho em até três vezes. “Entretanto, chegaram os estatutos e a forma de vida da Fraternidade Secular Agostiniana Recoleta e começamos com ela”, explica. Se tudo tivesse corrido como planejado, “não teríamos tido tempo”.

Em nenhum momento ele se sentiu sobrecarregado por não poder retornar a Roma. “Com as traduções, a preparação da comida e a celebração da missa não tive tempo para o tédio”, confirma o religioso. Mesmo espiritualmente, desta vez tem sido mais intenso. “Sempre colocamos as pessoas que amamos nas mãos de Deus”, diz ele. Tem havido mais oração e, acima de tudo, mais reflexão. “O mais importante desta época é que descobrimos que não é essencial o que pensávamos ser; o essencial é que temos Deus”.

Raul Buhay está esperando a resposta do consulado italiano para voltar à sua comunidade. Disseram-lhe que ele só pode voltar ao país europeu por razões essenciais, para as quais lhe pediram uma autorização de regresso. Se o consulado aceitar o seu pedido, então ele deve encontrar um vôo para Roma para voltar. Entretanto, há algo que o preocupa: ele quer se integrar novamente à comunidade da Via Sistina, mas tem medo de infectar os religiosos que evitaram o coronavírus durante todos esses meses. “Tanto tempo cuidando de si mesmo, e se agora eu chegar e transmitir para ele?”

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English