Uma mensagem de esperança inter-religiosa

A Paróquia de São Lucas do Panamá uniu-se à sinagoga da Congregação Kol Shearith Israel para felicitar o novo ano 2021 em uma mensagem conjunta inter-religiosa.

A fé é uma só quando se trata de espalhar esperança para o mundo. Foi assim que os fiéis da Paróquia São Lucas dos Agostinianos Recoletos no Panamá o entenderam. Por ocasião do Ano Novo, e em um contexto especialmente difícil marcado pela pandemia, eles elaboraram uma mensagem em vídeo juntamente com a Congregação Kol Shearith Israel para desejar um bom 2021 e para enviar palavras de encorajamento e esperança. Cristãos e judeus unidos, porque a fé une corações e almas para o bem da humanidade.

A união das religiões – vizinhas de seus templos na Costa Leste – se deu através da música. Os fiéis cristãos e judeus cantaram juntos a canção ‘Cantaré, cantarás’ (Eu vou cantar, você vai cantar), coberta por muitos artistas com letra de Anahí van Zandweghe. Com isto, eles pretendiam enviar uma mensagem de esperança, porque, como diz a canção, “sempre haverá um lugar para cada ser humano”. A humanidade, em quaisquer circunstâncias que ela se encontre, é sempre bem-vinda nos braços de Deus, ou Yahweh.

A canção foi seguida de algumas palavras do pároco de São Lucas, do agostiniano recoleto Julián Hincapié e do rabino da sinagoga, Gustavo Kraselnik. Ambos concordaram que 2020 “tem sido um ano difícil”. Neste ano, a sociedade aprendeu a se preocupar “com os doentes, com os mais necessitados, com o pessoal de saúde”, nas palavras dos religiosos. Nesta linha, o rabino da Congregação Kol Shearith Israel afirmou que “é necessário renovar a esperança e a ilusão”.

Todos juntos tornaram reais as palavras do agostiniano recoleto Julián Hincapié: “Deus nos deu a capacidade de compartilhar como irmãos sem distinção de raça ou religião”. A mensagem, que é produzida graças à estreita relação entre a paróquia agostiniano-recoleta e a sinagoga panamenha, não é a primeira conjunta: a primeira foi em 2017, quando fizeram uma saudação em vídeo para o Natal e Chanukah, e em março de 2020, no início da pandemia, produziram uma mensagem de encorajamento para a população. É um gesto único e importante: juntos, sem diferenças religiosas, o mundo pode ser mudado.