Discurso do Papa Francisco aos agostinianos recoletos

Caros irmãos e irmãs:

Bom dia! Estou feliz em recebê-los no contexto da celebração de seu Capítulo Geral, um tempo de graça que se estende a toda a Família Agostiniano-Recoleta.

Agradeço ao Prior Geral por suas palavras, que dão conta do processo de renovação e revitalização carismática que o Senhor vem realizando há vários anos.

O lema que os orientou na preparação do Capítulo e que o acompanha de maneira especial durante estes dias é: “Caminhamos juntos”: Caminhamos juntos “Eu vim para que eles possam ter vida” (Jo 10,10).

Na verdade, é um tempo de caminhar juntos, sempre em frente, com nossos olhos e nossos corações centrados em Jesus. Neste caminho que vocês estão percorrendo agora, o caminho da sinodalidade, em comunhão com toda a Igreja, eu lhes proponho contemplar mais uma vez a figura de São José, cuja solenidade celebraremos no próximo sábado, e a quem vocês veneram como Protetor da Ordem. Gostaria de sublinhar dois aspectos deste querido santo que também podem ser úteis para nós.

Imagem: Vatican News

Em primeiro lugar, gostaria que tivéssemos em mente que cada pessoa consagrada, cada religioso, cada sacerdote é chamado, como José, a ter um “coração de pai”, ou seja, um coração inquieto que se preocupa em amar e cuidar dos filhos e filhas a ele confiados, especialmente os mais frágeis, aqueles que sofrem, aqueles que não tiveram nenhuma experiência de amor paternal; E isso os leva a não descansar até que esses nossos irmãos e irmãs encontrem o Senhor, para que todos tenham uma vida abundante, como diz o texto que ilumina seu Capítulo.

Mas, cuidado, não esqueçamos que não podemos ser verdadeiros pais sem experimentar sermos filhos, filhos do Pai celestial, Ele sabe do que precisamos e Ele nos chama. Não deixemos de recorrer a Ele todos os dias com confiança. Ele nos escuta, Ele escuta os desejos e necessidades de nosso coração, e nos mostra o caminho a seguir.

Em segundo lugar, outra característica de São José que eu gostaria de destacar é a “coragem criativa”. Estes não são tempos fáceis, nós sabemos disso. Também não foram fáceis para José. Ele confiou em Deus, confiou plenamente e ofereceu todas as suas capacidades, seus talentos, suas habilidades para servi-lo. E Deus confiou em José, e lhe deu sua graça para poder cumprir a missão que lhe foi confiada. Portanto, hoje, como no dia de nossa consagração, faremos bem em levar ao altar tudo o que somos, e deixar que o Senhor o transforme em “sacrifício vivo, santo e aceitável” (Rm 12,1). E, depois desta oblação, sair em missão com confiança, com coragem, com criatividade. Ele está conosco, ele caminha ao nosso lado e nos ajuda a tomar decisões.

Imagem: Vatican News

Há uma coisa que o Prior Geral disse que acontece em toda parte, em todas as dioceses, em todas as congregações religiosas, mas por ser tão geral, não podemos deixá-lo passar como se não acontecesse conosco, temos que nos encarregar do que nos acontece. Ele disse que existiam oito províncias e agora são quatro. Isto significa que, em termos de números, estamos descendo. E esta é uma realidade que não podemos ignorar. Há mil explicações: que os jovens de hoje não vêem as coisas claramente, que há menos jovens do que antes – obviamente, a taxa de natalidade… – que a Europa e a América não fornecem o que costumavam fornecer em termos de vocações, que teremos que procurar outras culturas e olhar para outro lugar, e assim por diante, por mais que você queira. Mas há uma pergunta que temos que nos fazer: olhe para o futuro, projete a idade que você tem agora, e diga: de quatro províncias haverá apenas duas… Não tenham medo de fazer a pergunta a vocês mesmos. O dia em que não haja mais agostinianos recoletos, o dia em que não haverá vocações sacerdotais suficientes para todos, o dia em que, o dia em que, o dia em que esse dia chegar, teremos preparado os leigos, teremos preparado as pessoas para continuar o trabalho pastoral na Igreja? E vocês, vocês já prepararam pessoas para continuar com a espiritualidade de vocês, que é um dom de Deus, para levá-la adiante? Eu não ouso ser um profeta e dizer o que vai acontecer. Isso me preocupa, me preocupa. Confio no Senhor, mas também tenho que dizer estas coisas: vamos nos preparar para o que vai acontecer, e vamos dar nosso carisma, nosso presente àqueles que podem levá-lo adiante. Por favor, não tendemos coisas que não podem ser remendadas porque uma cultura é imposta a nós. Sim, mantenhamos firme o carisma, mantenhamos firme a consagração da vida que temos, sim, mas não tenhamos ilusões. E continuemos rezando, que o Senhor envie vocações, mas que Ele também nos prepare para dar de  presente nosso dom quando estivermos em menor número, àqueles que podem colaborar conosco. O Senhor é bom, Ele nos dará a consolação necessária para tomarmos estas decisões. Peçam a graça de saber como fazê-los a tempo e como o Senhor quer, não como qualquer sociólogo ou psicólogo pode nos dizer, não: o que o Senhor quer.

Os animo a ir adiante, com confiança na promessa do Senhor, e a levar adiante esta missão que Deus nos confiou.

E que Deus vos abençoe, que abençoe todos os membros da Família Agostiniana Recoleta, e que a Virgem Santa e São José vos cuidem e vos acompanhem. E, por favor, não se esqueçam de rezar por mim. Obrigado.

Papa Francisco

Copyright © Dicastero per la Comunicazione – Libreria Editrice Vaticana