Os jovens agostinianos recoletos (JAR) em missão na Argentina

A riqueza do carisma agostiniano recoleto é compartilhado por religiosos, religiosas e seculares adultos e jovens. As maneiras de plasmá-lo em nosso mundo são muito diferentes, mas, sem dúvida, este carisma vivido pelos jovens atinge cotas jamais imaginadas.

Exemplo disso é a missão desenvolvida pelos jovens agostinianos recoletos de San Martín, Buenos Aires, Mar de Prata, Rosário e Santa Fé em Victoria (Entre Rios – Argentina). Do 8 a 15 de janeiro, 46 jovens agostinianos recoletos, acompanhados de três religiosos, Fr. Darío Quintana, Fr. Juan Pablo Magnanelli e Fr. Sebastián Canastrelli, e duas religiosas MAR tornaram realidade o mandato de Jesus Cristo: “Vão pelo mundo inteiro e proclamem o Evangelho”. E, sobretudo, com essa a força e a alegria que caracterizam a juventude.

Tarefa evangelizadora

O grupo missionário hospedou-se em um bairro afastado da paróquia central de Victoria chamado “Quinto Quartel”, junto à capela São Bento. Ali funciona um refeitório para meninos sem recursos. Durante os dias de missão o tempo se divide em dois momentos: a tarefa propriamente evangelizadora e outras tarefas da casa.

Cada jornada começava com a oração, seguindo o esquema de exercícios diários com santo Agostinho. Depois saía-se a visitar as casas do bairro, oferecendo aos vizinhos a bênção da casa, a unção dos doentes, um momento de oração ou, simplesmente, uma animada conversa em torno de um mate.

À tarde as atividades dividiam-se entre jogos com os pequeninos, visitas a lares de idosos, visitas ao hospital ou ao cárcere de Victoria. O dia se encerrava com a celebração da Eucaristia, à qual se convidava todas as pessoas tinham sido visitadas durante o dia. Finalmente, jantar, oração da noite e preparativos para o dia seguinte.

Como grandes momentos cabe destacar os quatro batismos de meninos e o grande clima de fraternidade e alegria reinante em todo momento. Esses foram os ingredientes que ajudaram a realizar o serviço de evangelização com fortaleza, apesar das dificuldades do lugar e as incomodidades sofridas.

“A messe é abundante, mas os trabalhadores poucos”

Esta experiência de missão, já clássica entre os jovens agostinianos recoletos de Argentina, supõe um grande impulso em suas vidas, renovando o entusiasmo de seguir a Jesús e o desejo do anunciar no meio de seus preferidos, os que mais sofrem ou os que ainda não o conhecem. É, ademais, uma porta aberta a descobrir a vocação à missão, pois “a messe é imensa, mas poucos são os trabalhadores”.