“Agradeço a Deus por me confiar apesar das minhas deficiências”

Depois de apresentar sua renúncia, Dom Ángel San Casimiro deixará de ser bispo de Alajuela (Costa Rica) em maio próximo. “Ser bispo não é um privilégio, não está acima de ninguém”. Ele assegura que ele está feliz em retornar à comunidade com o resto dos agostinianos recoletos

Quando completou 75 anos no dia 16 de setembro e conforme exigido pela norma canônica, o bispo Ángel San Casimiro, agostiniano recoleto, apresentou sua renúncia como bispo de Alajuela (Costa Rica) perante o Santo Padre. Quase seis meses depois, o Papa aceitou sua demissão e nomeou seu sucessor. Será 26 de maio, quando ele finalmente deixa sua postagem e entregue ao amigo Bartolomé Buigues.

Depois de 22 anos exercendo o ministério episcopal, o Bispo agostiniano recoleto já está cansado. Ele diz que queria conhecer seu sucessor. “Uma vez que você apresenta a renúncia, você não tem mais energia para continuar a diocese com a responsabilidade que você deveria”, diz ele. No entanto, ele apresenta sua renúncia seguindo a norma canônica que permite que os bispos renunciem a sua responsabilidade quando tiverem 75 anos de idade e não por simples fadiga ou saciedade.

Com uma fé profunda e um olhar retrospectivo, Mons. San Casimiro coloca nas mãos de Deus todo o trabalho realizado. Em 7 de outubro de 1995, sua ordenação episcopal ocorreu em Ciudad Quesada (Costa Rica). “Não entendo, se não é da fé, porque o Senhor me concedeu este importante ministério”, diz ele. Ele reconhece humildemente dois defeitos pelos quais ele acredita que ele não deveria ter sido bispo: “Eu não acreditei na capacidade acadêmica para enfrentar esta missão com total responsabilidade e não sou modelo de virtude para ninguém”.

Refletindo, ele confessa que ele encontrou a resposta para as perguntas que foram feitas antes de receber a equipe e a mitra. “Deus às vezes usa o que é inútil para realizar seu trabalho e, portanto, o instrumento não se apropria da eficácia do trabalho”, e continua dizendo que “é por isso que o Senhor escolhe pessoas que não são humanamente qualificadas, mas são eles que, por meio deles, querem realizar seu trabalho “.

Por tudo isso, Angel San Camisiro diz sentir “uma atitude de agradecimento a Deus por ter confiado em mim apesar das minhas deficiências”. “Agradeço a Deus porque, apesar da minha pequena preparação, o Senhor fez coisas boas”, diz ele.

“Meu trabalho evangelizador, deixo isso para Deus”

Em Ciudad Quesada, sua primeira missão como bispo foi de 12 anos. Quando chegou, teve que sofrer em uma diocese rural que não possuía infra-estrutura. “O mais importante é a infra-estrutura interna de cada um, embora devamos usar os recursos humanos”, explica. É por isso que ele começou a equipar a diocese com uma infra-estrutura de acordo com suas necessidades.

Mais tarde, ele tomou posse em 2007 da diocese de Alajuela, na qual ele já havia sido pároco da Parroquia del Carmen. “Eu vim acompanhar”, diz ele, “porque meu antecessor havia deixado o norte marcado pelo qual a diocese deveria andar”. Nos últimos dez anos, ele concentrou seu trabalho pastoral sobre famílias, jovens, vocações e pobres.

Quando perguntado sobre o seu trabalho pastoral, St. Casimir rejeita. “Meu trabalho evangelizador, deixo a Deus emitir esse julgamento”, diz ele. O que ele sabe é que o trabalho pastoral deve continuar porque ele considera que “deve ser um processo permanente e não eventos ocasionais”.

“Ser bispo não é um privilégio”

O ministério episcopal que o agostiniano recoleto realizou há mais de 20 anos é para ele um serviço. “Ser bispo não é um privilégio, não está acima de ninguém”, ele diz sem rodeios. Duas frases resumem para o bispo de Navarra o trabalho do bispo. Um, Jesus: quem quer ser o maior de vocês, quem é o servidor. O outro, de Santo Agostinho: contigo, eu sou cristão, para ti sou o bispo. “Se o bispo é um bom cristão, ele é um bom bispo”, diz ele.

“O bispo deve acompanhar o povo: indo para trás para empurrá-los quando eles precisam, indo para mostrar-lhes o caminho ou ir junto para compartilhar a vida com eles”. Nesse sentido, o bispo vê hoje o papa Francis como a melhor referência.

Ele relata com emoção a última visita feita pela Ad Limina com os bispos costarriquenhos. “Fiquei surpreso com sua proximidade, a liberdade que eu senti para lhe perguntar o que ele queria”, diz ele. É por isso que ele acredita que a relação dos bispos com o Papa é muito próxima. “Isso nos ajuda a entender o que ele diz, ele é o primeiro a cumprir”, diz ele.

“Estou feliz em voltar para a comunidade porque a minha vida faz mais sentido”

Durante os anos em que ele realizou seu episcopado, Ángel San Casimiro perdeu sua comunidade de irmãos agostinianos recoletos. “Sempre gostei de viver em uma comunidade”, ele compartilha. É algo que tentou se mudar para o seu presbitério, proporcionando um senso de comunidade. Em maio, como bispo emérito de Alajuela, ele voltará a fazer parte do trabalho dos agostinianos recoletos em Ciudad de los Niños, em Cartago (Costa Rica). “Estou feliz em voltar para a comunidade porque a minha vida faz mais sentido”, diz ele.

Com apenas dez anos, ele entrou no desaparecido seminário escolar de San José, em Lodosa (Navarra, Espanha), a nove quilômetros de sua cidade. É assim que ele conta a sua história: “Na escola, recebi a visita de um agostiniano recoleto, padre Manuel Simón, que perguntou quem queria ir ao seminário e rapidamente levantei minha mão”. Seu referente para tomar essa decisão não era senão o pároco da cidade. “Eu costumava me dizer” quando cresço eu quero ser assim “.

Portanto, o Arcebispo Ángel San Casimiro pede que, além de orar para que o Senhor “continue chamando jovens”, os frades e sacerdotes são “bons” chamadores “, que fazemos uma impressão e desejo de continuar a vida que lideramos”.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English

Suscríbete a nuestra

Newsletter