Uma história de amor por Deus da Índia a Granada

O religioso indiano Ken James fez sua profissão solene como agostiniano recoleto em Granada neste domingo. Anos atrás ele decidiu tornar-se agostiniano recoleto, apesar de a Ordem não ter presença na Índia.

Na história de Ken James, Deus está presente desde o início até o fim. Nascido na Índia, filho de uma família católica do rito Syro-Malabar, ele logo começou a entender que “há um Deus próximo e humilde que entende, acolhe e ama cada um”. Seus amigos, que como crianças sentiam o mesmo que ele, mudaram de idéia, “mas pela graça de Deus eu ainda sentia dentro de mim, algo que me atraía muito e me impulsionava a dar minha vida a Deus”, lembra-se ele. Ao acaso, ele decidiu fazer a viagem vocacional com os Agostinianos Recoletos, que não têm presença na Índia. Por quê? “Deus faz milagres com coisas e decisões simples”.

Vários anos depois dessa decisão, no domingo 5 de julho, Ken James fez sua profissão solene como agostiniano recoleto na Paróquia Santo Tomás de Vilanova, em Granada (Espanha). Seguindo as medidas preventivas para evitar a propagação do coronavírus, os religiosos disseram sim de forma definitiva a Deus, o mesmo Deus que era próximo e humilde quando era jovem. O jovem índio leu a fórmula da profissão solene acompanhado pelo Prior Provincial da Província de Santo Tomás de Vilanova, Miguel Ángel Hernández, que presidiu a Eucaristia.

A capacidade da igreja estava cheia e várias dezenas de pessoas tiveram que acompanhar a celebração de fora. Muitos jovens das Juventudes Agostinianas Recoletas de Granada acompanharam os religiosos. O avanço da pandemia na Índia causou o fechamento das fronteiras, de modo que sua família não pôde estar com ele neste dia tão importante para sua vida, embora eles tenham podido acompanhá-lo ao vivo através das redes sociais. Somente seu irmão, que veio da Alemanha, estava presente na profissão solene.

“Eu pedi a Deus especialmente o dom da fidelidade”

Especialmente comoventes para os religiosos foram as palavras de Miguel Angel Hernandez, que o acompanhou de seu noviciado ao teologado em Monachil. “Foi uma alegria confirmar minha vocação na Ordem com o Prior Provincial”. Ken diz que Miguel Ángel Hernández o conhece muito bem. Em sua homilia, o superior provincial indicou que “Deus não o chamou por causa de suas qualidades, mas por causa de quem ele é”.

Para os religiosos indianos, a profissão solene “foi um momento muito importante”. Neste sentido, ele lembrou o Evangelho deste domingo: “Deus se revela ao povo simples”. “Eu pedi a Deus especialmente o dom da fidelidade; o rito da profissão solene é muito bonito, mas viver fielmente é complicado”, disse ele.

Um livro-álbum e uma decisão

Aos quinze anos, Ken começou a colecionar folhetos vocacionais e cartas de diferentes congregações e ordens religiosas. “Foi como um jogo entre meus amigos porque éramos quatro com esse mesmo sonho”, lembra-se ele. Os quatro amigos começaram a colecionar os folhetos em um livro “ao mesmo tempo em que sonhamos em um dia fazer parte de uma dessas congregações”.

Ele não sabia muito sobre a vida religiosa, então um dia, folheando as páginas do livro, ele parou em uma promoção vocacional agostiniano-recoleta e se conectou com o promotor vocacional. Assim começou um ano de discernimento para entrar na Ordem. “É verdade que a decisão de vir à Espanha foi um pouco difícil, conhecer outra cultura, outra maneira de pensar outra língua, etc., mas como se diz, ‘o Deus que nos chama, nos permite responder'”.