“O padre Benjamim era um grande homem de Deus e um grande panamenho”

Mais de 300 pessoas demitiram o agostiniano recoleto Benjamín Ayechu, morto no último domingo aos 92 anos. Sua longa e árdua tarefa para a educação no Panamá levou, entre outros, para receber a Ordem de Vasco Nunez de Balboa ou distinção ‘Pro Ecclesia et Pontifice’. “Sua vida não foi entendida sem o Panamá”, disse o cardeal agostiniano recoleto José Luis Lacunza

Panamá, às portas para comemorar o Dia Mundial da Juventude, com pesar descartou a agostiniana recoleta Benjamin Ayechu, que morreu no último domingo aos 92 anos. Panamenhos manter um amplo espaço para o “pai” único que, sendo espanhol, trabalhou e preocupado com a educação de seus cidadãos, criando entre outras obras do Colegio San Agustin, dos Agostinianos Recoletos, e da Universidade Católica St. Mary em seu coração a Antigua (USMA). Foi o trabalho incansável e seu enorme amor por Panamá, que levou à obtenção da Ordem de Vasco Nunez de Balboa, as chaves da cidade do Panamá ou a mais alta distinção da Santa Sé: ‘Pro Ecclesia et Pontifice’.

A dor de sua perda foi demonstrada em seu enterro. Mais de 300 pessoas vieram dispensar o padre Benjamin. Entre eles, o presidente do Panamá, Juan Carlos Varela. Precisamente o governo, além da USMA, enviou após sua morte uma nota oficial lamentando sua morte. Agostinianos recoletos José Luis Lacunza cardeal presidiu a Eucaristia da qual participaram seis bispos, entre eles o bispo do Panamá, José Domingo Ulloa e mais de 20 sacerdotes. O Prior Geral, Miguel Miró, e o prior provincial da Inspetoria Nossa Senhora da Candelária, Albeiro Arenas, também estiveram presentes na Eucaristia.

O religioso levou o corpo ao altar onde, como no dia de sua ordenação, foi colocado no chão. Uma casula, as Sagradas Escrituras e as Constituições da Ordem dos Agostinianos Recoletos foram colocadas em cima dele. Centenas de pessoas se reuniram na paróquia San Lucas, onde o funeral teve lugar, eles fizeram “Agostiniano coração”, como declarou o cardeal Lacunza, que descreveu Benjamin como uma pessoa com “ousadia coração generoso e útil teimoso,, ”

Para ele, “Benjamin foi um grande homem de Deus e um grande panamenho”. E é que o agostiniano recoleto nativo de Navarra foi uma pessoa que se apaixonou pela terra panamenha até o mundo de querer ser enterrado aqui. “Foi um grande homem de Deus não se destacar da vida humana, mas porque ele estava olhando através dos olhos de Deus aos seres humanos, e vê-los em Deus, amado como Deus e o espectáculo de isso”, disse o cardeal bispo de Davi.

José Luis Lacunza destacou especialmente o trabalho educativo de Benjamín. “A melhor homenagem que poderíamos fazer a Benjamin seria decidir que a educação no Panamá vem em primeiro lugar”, disse ele. Seu amor pelo Panamá traduziu-se no esforço incansável de educar os panamenhos, disse ele.

Ele concluiu com palavras diretas para o religioso: “Colocamos o objetivo elevado de fato o bar de sua vida, suas aspirações e suas realizações nos deixar muitos desafios e deixar-nos, fez sua parte não pequena, mas .. ainda há muito. não nos deixe, olha para nós de cima com o mesmo coração generoso, sincero, útil e simples, como nós você estava quando você estava para baixo. e agora você está mais perto da pessoa a quem você deu a sua vida como uma religiosa e um padre, rogai por nós, rezar para não parar de sonhar como você, então vamos não se esforçam como você, então não vamos amar nossos irmãos como você, por isso não vamos ser panamenha de todo o coração, como você. abençoa-nos do seio do Pai “.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español

Suscríbete a nuestra

Newsletter