Uma videochamada e uma oração: “Este é o nosso trabalho”

As monjas agostinianas recoletas têm acompanhado praticamente as famílias mais necessitadas da Colômbia durante as semanas mais difíceis da pandemia.

Todos os dias, em um determinado momento, as Agostinianas Recoletas Contemplativas do Convento Nossa Senhora da Candelária em Bogotá se reúnem para uma de suas tarefas durante a crise da COVID-19: fazer uma vídeo-chamada para alguém que precise. Eles escutam a pessoa do outro lado da tela, perguntam-lhe sobre sua condição e rezam juntos uma oração. É um gesto simples, mas muito reconfortante para a pessoa do outro lado do telefone. Eles decidiram que era a única ajuda que podiam dar em face do coronavírus. “Muitas pessoas precisam ser ouvidas”, diz a Irmã Huarani C. Esparza. Como eles concordaram em tomar essa ação, o telefone começou a funcionar para atender a ambas as pessoas.

O convento está localizado na fronteira que separa uma das áreas de alto status social em Bogotá com outra das áreas mais pobres. Desde o início da pandemia, muitas pessoas carentes bateram à sua porta. Eles pediram ajuda alimentar ou de trabalho; tudo foi bem-vindo. Muitas dessas pessoas são de origem venezuelana. A Irmã Hermila Sanchez lembra com impacto que a certa altura eles pararam de bater na porta. “Eles ficaram cansados, só gritando ‘nós queremos comer'”, diz ela. “Quando abrimos a porta e os ouvimos, nossos corações estavam em pedaços”, diz a Irmã Huarani.

No mais absoluto desespero, muitas pessoas vieram às monjas agostinianas recoletas, embora não pudessem ajudá-las materialmente. A comunidade não tem renda, pois seu único propósito é a oração contemplativa. Até a despensa alimentar é doada pelos religiosos agostinianos recoletos. Eles mal têm quatro ovelhas vivendo no jardim da casa, mas os animais são mais para companhia do que para o sustento. Apenas uma das ovelhas foi comida por ocasião de alguma celebração importante.

‘Deixe sua intenção aqui’

Diante do incessante aumento de petições à porta, as monjas agostinianas recoletas começaram a questionar o que poderiam fazer e como poderiam ajudar. Uma primeira ajuda veio na forma de um cartaz: para evitar o contágio do coronavírus, eles decidiram não abrir a porta para as pessoas que estavam batendo, embora tenham colocado uma placa: “Não podemos ajudá-lo com comida ou dinheiro, mas podemos ajudá-lo com a nossa oração”. Eles convidaram as pessoas a deixar suas intenções de oração sob o sinal e as freiras as recolheram para incluir em suas orações.

Uma irmã decidiu ir mais longe e propôs conversar por videochamada com todas as pessoas que haviam pedido ajuda ou que estavam em processo de vocação. Desde então, todos o fizeram juntos ou separados. “Não podemos dar nada, apenas ouvir; não temos trabalho, este é o nosso trabalho: acompanhar”, diz a Irmã Huaraní Esparza. Eles escutam, atendem e rezam com toda a família. Chegaram a chamar várias vezes os religiosos agostinianos recoletos. “Eles estão sempre em seus apostolados com as pessoas e de repente estão sozinhos”, diz o contemplativo.

“Só Deus permanece”

Os temas discutidos são muito diversos, embora geralmente acabem convergindo para a mesma questão: a fé. Todas as pessoas lhes perguntaram onde Deus está nestes momentos difíceis. “Muitas pessoas perceberam que só Deus permanece”, diz Irmã Hermila. Esta freira conheceu uma senhora que valorizava muitos diplomas e também prata. “Depois de toda a sua vida ela se perguntou: A quem estou me agarrando? Só Deus”, explica ela.

As irmãs falam às pessoas sobre Deus, “porque parece que Ele não está lá”. Huaraní se surpreendeu com o caso de uma garota que está em processo de vocação. Seu pai só podia sair duas vezes em semanas e em casa eles só comiam uma vez por dia. “Eles eram felizes porque comiam em família”, diz ela. Eles contam como estão indo, mas nas coisas ruins eles encontram o amor de Deus perto”.

Como contemplativos não saem do convento, exceto pelo que for necessário. No entanto, durante a pandemia que obrigou milhões de pessoas a ficarem confinadas às suas casas, elas saíram praticamente para estar ao lado das pessoas que mais sofrem, que precisam ser ouvidas, que estão esperando por uma oração… mesmo que seja através de uma tela.

This post is also available in/Este conteúdo está disponível em Português: Español English